Colunas

Pesca da piracatinga: o boto-rosa não pode ser isca

Estudo detalha equipamentos e práticas desta atividade no rio Purus e Médio Solimões e confirma que as principais vítimas são botos e jacarés

29 de abril de 2015·9 anos atrás
  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Ribeirinho exibe piracatinga. Foto: Adriano Gambarini.

Não é de hoje que a pesca do peixe piracatinga (Calophysus macropterus) causa preocupação. A razão é a matança indiscriminada do boto-cor-de-rosa para ser usado como isca para a piracatinga em muitos rios da Amazônia.

Publicado recentemente na revista científica Journal of Applied Ichthyology, especializada no estudo de peixes, o artigo “Uso de golfinhos e jacarés como isca para Calophysus macropterus [nome científico da piracatinga] na Amazônia” detalha as características desta pesca nas regiões do baixo rio Purus e Médio Solimões.

Os pesquisadores responsáveis pelo trabalho são: Felipe Rossoni e Sannie Brum, do Instituto Piagaçu; Leandro Castello, da Virginia Polytechnic Institute and State University, (que fazem parte da equipe do projeto Peixes da Floresta, patrocinado pelo Programa Petrobras Socioambiental); e Vera da Silva, pesquisadora do INPA e da Associação Amigos do Peixe Boi (AMPA). Eles abordam as técnicas pesqueiras, principalmente quanto ao uso de dois aparelhos: a “caixa”, amplamente conhecida e utilizada na região do médio Rio Solimões, e o “curral”, descrito pela primeira vez e utilizado na região dos rios Purus e Manacapuru. Como o curral é portátil, permite que barcos pesqueiros realizem a pesca da piracatinga em rios sem nenhuma fiscalização.

Cardume de piracatinga (Calophysus macropterus) no Rio Purus, AM. Foto: Adriano Gambarini.

A piracatinga é vendida aos frigoríficos da região, que processam o produto e podem tanto comercializá-lo nas cidades próximas quanto exportá-lo à Colômbia.

Os pesquisadores identificaram um aumento da produção de piracatinga de mais de 400% por ano e também, infelizmente, confirmaram a utilização de jacarés e dos golfinhos da Amazônia (boto-rosa e tucuxi) como as iscas principais. Os impactos causados nas populações destas espécies em decorrência da pesca indiscriminada ainda estão sob investigação. Ressalte-se que o boto-rosa já é considerado “em perigo” na última lista de espécies brasileiras ameaçadas, e um dos principais problemas advém da sua utilização como isca na pesca da piracatinga. Matar o boto para usá-lo como isca é uma característica ilegal desta pescaria. Por isso, desde janeiro deste ano, está proibida por cinco anos a pesca da piracatinga em todo o território brasileiro.

Agora, o setor pesqueiro amazônico, junto com o Ministério Público Federal, instituições conservacionistas e universidades buscam soluções para o impasse: a rentável pesca da piracatinga só pode prosseguir se houver alternativas de isca para os pescadores, que não prejudiquem as populações dos botos amazônicos.

Boto-rosa no Rio Tapajós, PA. Foto: Adriano Gambarini.

Vídeo do experimento:

Saiba mais

Artigo: “Uso de golfinhos e jacarés como isca para Calophysus macropterus na Amazônia“. Use of dolphins and caimans as bait for Calophysus macropterus; Lichtenstein, 1819 – Siluriforme: Pimelodidae

Leia também
Matança de botos: mais quatro meses de agonia
Pesca da piracatinga será suspensa no Brasil
Pesca do Piracatinga agrava matança de botos cor-de-rosa

 

 

Leia também

Notícias
25 de julho de 2012

Pesca do Piracatinga agrava matança de botos cor-de-rosa

Pedaços de boto são usados como isca. Piracatinga, peixe chamado de urubu d’água, mudou de nome para atrair consumidores em Manaus

Notícias
9 de junho de 2014

Pesca da piracatinga será suspensa no Brasil

Uso de iscas de boto na pesca é denunciado há vários anos, mas só agora tomou-se medidas contra a matança, após ação do Ministério Público

Salada Verde
23 de fevereiro de 2024

Justiça Federal impõe mais de R$ 316 milhões em indenizações por desmatamento ilegal

Infrações ambientais foram identificadas pelo MPF por meio do Amazônia Protege, projeto que utiliza monitoramento por satélite para responsabilizar os atores dos desmatamentos ilegais

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.