Reportagens

Araras-de-lear apreendidas em maio deste ano em Bangladesh morreram

O Brasil não teria obtido contato para repatriar as aves. Outros animais confiscados no Suriname chegam amanhã (23) ao país

Aldem Bourscheit·
22 de agosto de 2023

As três araras-azuis-de-lear (Anodorhynchus leari) que foram apreendidas em maio passado no Aeroporto Internacional Hazrat Shahjalal, em Daca, capital de Bangladesh, faleceram. 

A informação é de Imran Ahmed, responsável por Conservação Florestal no Ministério do Meio Ambiente, Florestas e Mudanças Climáticas do país,  situado no sul da Ásia.

“Lamento informá-lo de que as araras já estão mortas”, disse a Gem Saviour. Ahmed também chefia o Bangabandhu Sheikh Mujib Safari Park, onde as aves estavam em quarentena. 

Em fevereiro deste ano, funcionários da instituição foram afastados de suas funções após a morte de ao menos 11 zebras, uma leoa e um tigre, informou a mídia bengalesa. 

As araras brasileiras passaram pela Bélgica antes da apreensão em Daca, que teria sido a primeira com espécies brasileiras naquele país, diz Ahmed. “Uma investigação mais aprofundada está em andamento”, assegura.

Na apreensão, as de-lear estavam num lote de 69 animais importados sem licença, incluindo aves australianas e espécies não brasileiras de tucanos e de periquitos. O importador foi multado e teve a licença suspensa por 1 ano.

O representante do governo bengalês não comentou a Gem Saviour sobre a possível causa dos óbitos e nem quando as araras brasileiras morreram. 

“Seria estratégico repatriar as carcaças para fins científicos, como análises forenses e identificação das causas dos óbitos”, destaca Juliana Ferreira, diretora-geral da ong Freeland Brasil. A tarefa pode ser complexa. 

Ahmed conta que a representação da Cites (Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção) no país não recebeu “nenhum e-mail da autoridade brasileira sobre a repatriação após a apreensão”, em maio.

Documentos repassados pelo Ibama mostram que a autarquia tentou contato com autoridades de Bangladesh em 14 de junho e em 2 de agosto, nessa data por meio do Ministério das Relações Exteriores. Não houve retorno.

“É preciso melhorar a comunicação entre autoridades nacionais da Convenção para que os eventuais esforços do poder público brasileiro não sejam desperdiçados”, pondera Juliana Ferreira. 

“Construir e implantar uma estratégia nacional de combate ao tráfico de vida selvagem ajudará a melhorar o manejo de casos no Brasil e no exterior”, agrega a doutora em Biologia pela Universidade de São Paulo (USP).

Araras-de-lear apreendidas em Bangladesh. Foto: Nigar Sultana/Facebook/TBSNews

ACites regula o comércio internacional de animais e plantas mesmo em risco de desaparecimento. Negócios com araras-de-lear são vetadas devido a seu alto risco de extinção. A espécie vive apenas na Caatinga do interior da Bahia.

O Ibama responde pela fiscalização federal de crimes ambientais e pelas licenças da Cites no Brasil para importações e exportações de espécies.

Já as 29 araras-de-lear e os 7 micos-leões-dourados apreendidos em julho, no Suriname, chegam amanhã (23) ao Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). Todos passarão por testes sanitários e de saúde.

Conformedivulgado pelo governo federal, os micos e as araras permanecerão em quarentena respectivamente no zoológico municipal de Guarulhos e em Cananéia (SP). Sua readaptação à natureza é incerta.

*Colaborou o jornalista Mainul Islam Khan.

**A reportagem foi alterada às 16h de 23 de agosto de 2023 para acomodar informações repassadas pelo Ibama após sua publicação.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
11 de agosto de 2023

Atrasar repatriação ameaça araras e micos e pode prejudicar investigações

Fontes indicam que os animais chegaram ao Suriname por rotas através da Guiana e que seguiriam a países da Europa e da Ásia

Reportagens
31 de julho de 2023

Em risco de extinção, araras-de-lear brasileiras são traficadas globalmente

Entidade civil denuncia casos no país e no exterior e sugere uma força-tarefa nacional para proteger a espécie da Caatinga

Salada Verde
19 de abril de 2023

Justiça paralisa projeto eólico que ameaça aves raras no sertão baiano

Empreendimento em área da arara-azul-de-lear foi autorizado pelo estado com falhas no estudo de impactos e nas audiências públicas

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.