Reportagens

João Lara Mesquita: “Vejo a gente detonar e maltratar a costa”

O velejador e jornalista conta como a costa entre Rio e São Paulo passou de quase virgem a maltratada. E fala do que viu ao produzir a série “Mar sem fim”.

José Truda Palazzo, Jr.·
23 de setembro de 2015·8 anos atrás
24092015-joao-lara
João Lara.

O velejador e jornalista João Lara Mesquita conta o que viu ao produzir a “Mar sem fim”. Nesta entrevista, ele relembra como conheceu quase virgem a costa que se estende ao longo da distância entre Rio de Janeiro e São Paulo, e como a abertura da estrada Rio-Santos, “a famigerada BR101, em seis meses, detonou a região”. Nos quarenta anos que se passaram, diz, “continuo vendo a gente detonar e ocupar mal a costa, maltratar a costa, acabar com a sua beleza cênica”.

Ele é a favor da ocupação e exploração turística da costa brasileira, mas seguindo limites que preservem a natureza e não destruam os seus ecossistemas. Também reconhece que o problema é mundial, extrapola o Brasil.

Para dar uma contribuição, quis investigar a situação da áreas protegidas marítimas brasileiras. Foi como surgiu a “Mar sem fim”, que após seu término ficará disponível ao público no seu site, inclusive para download.

Sua conclusão é que o estado dos áreas marítimas que visitou é péssimo, pior do que podia imaginar. “Para começar, é uma exceção a [administração de] unidade de conservação marinha que tem barco”, relata.

Abaixo, veja o vídeo completo da entrevista de João Lara Mesquita


 

Veja também
Maria Teresa Jorge Pádua: “É possível fazer plano de manejo em um mês”
CBUC recebe Exposição Conexão Estação Natureza

 

 

 

  • José Truda Palazzo, Jr.

    José Truda é jardineiro, escritor, consultor em meio ambiente especializado em conservação marinha e tratados internacionais, e indignado.

Leia também

Notícias
23 de setembro de 2015

CBUC 2015: CBUC recebe Exposição Conexão Estação Natureza

Mostra esteve em seis capitais e retorna a Curitiba para a celebração aos 25 anos da Fundação Grupo Boticário.

Reportagens
23 de setembro de 2015

Maria Tereza Jorge Pádua: “É possível fazer plano de manejo em um mês”

Ela conta o processo que levou a lei do SNUC, mas critica a burocracia que dificulta a gestão e criou excesso de categorias de áreas protegidas.

Notícias
29 de fevereiro de 2024

Queimadas na Amazônia atingem número recorde em fevereiro

Puxado por Roraima, número de focos de calor registrados pelo INPE no mês é o maior em 25 anos de medições

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários2

  1. Andreiadiz:

    E pior é quem trabalha pro governo e ainda tem a coragem de defender!!! Achando que tá tudo ótimo???


  2. José Trudadiz:

    Allah e Exu nos dêem mais "diletantes" como esse, porque se depender dos burocratas semi-analfabetos aboletados no Estado, a Natureza brasileira vai pro saco.