Salada Verde

Liminar do STF derruba “presunção de boa-fé” no comércio de ouro

Decisão do ministro Gilmar Mendes suspende efeitos de trecho de lei que facilitava ação do garimpo ilegal. Plenário ainda julgará a ação

Gabriel Tussini·
6 de abril de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu trecho de lei que garantia a presunção da legalidade da origem e a boa-fé dos compradores na comercialização de ouro. A liminar foi expedida nesta terça-feira (4), em resposta a duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade propostas por partidos políticos, uma da REDE e outra de PSB e PV. A medida ainda será julgada pelo plenário virtual do Supremo.

A decisão torna sem efeito o parágrafo 4º do artigo 39 da Lei 12.844/13, que segundo o ministro servia de “incentivo” ao comércio de ouro proveniente de garimpo ilegal. Gilmar Mendes classificou o parágrafo como um “jabuti” inserido na lei, sem relação com o assunto, e citou ainda o desmatamento, contaminação de rios e violência, inclusive contra povos indígenas, como consequências. “É preciso que esse consórcio espúrio, formado entre garimpo ilegal e organizações criminosas, seja o quanto antes paralisado”, afirma em trecho da decisão.

O ministro determinou ainda que o Poder Executivo elabore, no prazo de 90 dias, um “novo marco normativo” de fiscalização e adote medidas que “inviabilizem a aquisição de ouro extraído de áreas de proteção ambiental e de Terras Indígenas”.

O dispositivo suspenso dificultava a fiscalização e eventual punição às Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários (DTVMs), únicas instituições autorizadas a comprar ouro bruto no Brasil, por parte do Banco Central (BC), uma das instituições consultadas na ação. O ministro citou decisões da corte que declararam a inconstitucionalidade de normas que, “a pretexto de desburocratizar o licenciamento ambiental, afastam ou enfraquecem o controle prévio de empreendimentos que impactam o meio ambiente”.

Além do BC, também foram consultadas a Agência Nacional de Mineração (ANM), a Polícia Federal, o Ministério do Meio Ambiente e a Procuradoria-Geral da República (PGR), que deu parecer favorável à suspensão do trecho.

Mais rigidez no comércio de ouro

Já no último dia 30, uma instrução normativa da Receita Federal estabeleceu o uso de nota fiscal eletrônica nas transações envolvendo ouro proveniente de garimpos autorizados. A medida garante maior controle e rastreabilidade da produção e inicia “cerco” ao garimpo ilegal, dizem especialistas na área. A norma passará a valer a partir do dia 3 de julho deste ano.

  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em Gem Saviour e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Colunas
23 de janeiro de 2023

A corrida do ouro genocida na Amazônia

A atividade da mineração predatória atinge dimensões que impactam florestas e suas funções sistêmicas, incluindo a contenção necessária às mudanças climáticas

Notícias
17 de março de 2023

Defensor do garimpo, José Priante assume Comissão de Meio Ambiente da Câmara

Em seu 7º mandato de deputado, José Priante (MDB-PA) já teve entre doadores de campanha mineradoras como Vale e Imerys Brasil. Em 2022, pediu fim de operações de combate ao garimpo na TI Munduruku

Reportagens
30 de novembro de 2022

Promessa de Lula, combate ao garimpo se mostra desafio na Amazônia

Destruição de balsa na região do Médio Juruá, no Amazonas, mostra avanço da mineração ilegal nas regiões intocadas da floresta

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.