Salada Verde

Servidores do INPE repudiam tentativa do governo de excluir instituto da “requalificação” do desmatamento

Na última semana, governo criou “Câmara Consultiva” para qualificar o que pode ou ser ser enquadrado como desmatamento e queimada. INPE não está no grupo

Cristiane Prizibisczki·
6 de junho de 2022·2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O sindicato dos servidores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (SindCT) publicou nesta segunda-feira (6) uma nota de repúdio contra o que eles chamaram de “mais um ataque do governo Bolsonaro” ao órgão. 

O sindicato faz referência a uma resolução do Governo Federal publicada na última quinta-feira (2) que cria uma “Câmara Consultiva Temática” para “qualificar os dados de desmatamento e incêndios a fim de diferenciar crimes ambientais de outras atividades, utilizando bases de dados oficiais já existentes”. A notícia foi publicada pelo Estadão.

Apesar de, desde a década de 1980, o monitoramento e qualificação de dados do desmatamento e queimadas ser feito pelo INPE, o órgão não foi incluído na formação da Câmara, nem tampouco um representante da pasta ao qual é vinculado, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). 

Segundo a resolução, apenas membros dos Ministérios do Meio Ambiente, Agricultura, Defesa, Economia e Justiça farão parte do grupo.

“A comunidade científica nacional e no exterior se posiciona para denunciar mais este absurdo. Conclamamos todos os servidores do INPE e a sociedade para que se manifestem em repúdio à tentativa de retirar competências de quem, nos seus mais de 60 anos de existência, só mostrou competência”, diz a nota do sindicato.

Histórico de ataques

Desde o início do governo Bolsonaro, os dados do INPE têm sido questionados por membros do governo e pelo próprio presidente. As acusações – nunca comprovadas – de que os dados gerados pelo Instituto eram “mentirosos” e “imprecisos” levaram a uma crise entre o órgão e o governo Federal, que culminou na exoneração do então diretor, Ricardo Galvão, e em uma reformulação interna do órgão.

O vice-presidente, por sua vez, já “verificou” pessoalmente que não existem queimadas na Amazônia e que os focos detectados podem ser pedras quentes.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
23 de fevereiro de 2022

INPE abre ao público dados oficiais detalhados sobre mudanças no solo amazônico

Sala de Situação da Amazônia mostra, diariamente, onde o desmatamento, degradação, corte seletivo ou mineração estão ocorrendo no bioma e como essas mudanças variam no espaço e tempo

Notícias
17 de fevereiro de 2022

Mesmo com recomposição, orçamento do INPE para 2022 cai 32% em relação a 2020

Instituto deve receber do Governo Federal R$ 92,3 milhões. Valor é o segundo menor da década, só perdendo para 2021, quando foram destinados R$ 79 milhões ao órgão

Notícias
19 de novembro de 2021

Governo tenta minimizar dados do desmatamento ao comparar erroneamente sistemas do INPE

Ministério do Meio Ambiente compara dados do Deter com o Prodes e diz que há uma tendência de queda em curso. INPE não recomenda comparação entre os sistemas

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.