Salada Verde

Sociedade civil se manifesta pelo fim de novas hidrelétricas na Amazônia 

Mais de 270 organizações, especialistas e ambientalistas assinaram um documento pedindo a suspensão de novas hidrelétricas na região amazônica

Júlia Mendes·
21 de novembro de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

“Insistir em mostrar o papel das hidrelétricas como fonte de energia sustentável e limpa significa ignorar o legado histórico de catástrofes ambientais, sociais e econômicas deixado pelas hidrelétricas construídas na Amazônia”. É o que diz o manifesto assinado por mais de 270 organizações da sociedade civil, ambientalistas e especialistas, que clamam por uma moratória, ou seja, a suspensão imediata de novas usinas hidrelétricas (UHE) na Amazônia, até que sejam feitas as revisões dos planos nacionais de energia e dos programas nacionais de mudança do clima e transição energética.

Em apelo a autoridades governamentais, como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva; a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva; o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira; e os governadores dos estados da Amazônia, o documento enfatiza os impactos sociais e ambientais de projetos hidrelétricos anteriores e aponta exemplos específicos de grandes prejuízos na região, desde a construção da UHE Balbina, a primeira grande hidrelétrica na Amazônia, até a UHE Belo Monte, a última construída. 

Segundo o manifesto, os seis projetos de hidrelétricas na região amazônica levaram mais de 60 mil pessoas a deixarem seus lares ou tiveram sua vida e/ou segurança alimentar ameaçadas.

Além disso, o documento também expõe os impactos destrutivos na região causados pelas Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e Centrais de Geração Hidrelétrica (CGHs). Segundo a declaração, um conjunto de PCHs em uma mesma bacia pode gerar um impacto quatro vezes maior do que uma UHE devido a quebra da conectividade do fluxo natural dos rios. “Essa perda de conectividade por PCHs deve se agravar em 21% no futuro, caso todos os empreendimentos planejados sejam construídos, o que vai atingir rios ocupados por mais de 120 espécies de peixes migratórios – 14 delas ameaçadas de extinção e 20 delas de alta importância para a pesca comercial e recreativa”, explica o manifesto.

Lado da Usina Hidrelétrica de Balbina. Foto: Wikipédia.

O documento demonstra ainda a necessidade da adoção de práticas sustentáveis na região e que considerem o potencial energético do Brasil para uma transição mais limpa e menos impactante às regiões. 

“Atualmente, com o agravamento da crise climática, que rebate diretamente na grande variação do fluxo hidrológico dos rios e na escassez hídrica, as decisões passadas que levaram o Brasil a quase uma mono-dependência da fonte de energia produzida por hidrelétricas, precisam ser revistas, e incorporar em seu programa de transição da sua matriz energética incentivos e iniciativas voltadas à eficiência energética, repotenciação das hidrelétricas já existentes, ampliação das fontes eólica, solar e biomassa, à adoção da mini e micro geração distribuída de energias renováveis, com prioridade para grupos de baixa renda e comunidades mais isoladas da Amazônia”, finalizam. 

Leia o manifesto na íntegra

  • Júlia Mendes

    Estudante de jornalismo da UFRJ, apaixonada pela área ambiental e tudo o que a envolve

Leia também

Reportagens
7 de abril de 2022

Governo premia construtora de Belo Monte com selo de sustentabilidade; Atingidos rebatem

Selo concedido pelo Ministério do Desenvolvimento Regional gera questionamentos sobre falhas de gestão socioambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Reportagens
14 de novembro de 2023

Seca severa piora situação dos botos na Amazônia, já ameaçados pela caça

Os esforços para conservar a espécie enfrentam dificuldades com a intensa estiagem no bioma. Só em Mamirauá, mais de 159 animais morreram

Análises
18 de fevereiro de 2021

Barragens transformam Amazônia em zona de sacrifício

Depois que o Brasil construiu barragens no rio Madeira em 2011 e em 2013, a captura de peixes naquela que foi a segunda maior região para a pesca fluvial do mundo despencou no Brasil, Bolívia e Peru

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários2

  1. Alessandro Quadrosdiz:

    Sem hidrelétricas, sobra o que? As Termoelétricas, que consomem combustível fóssil, poluem e degradam o meio ambiente. Infelizmente vemos mais uma vez as CIAs que defendem o consumo de combustível fóssil e fazem campanha contra as hidrelétricas, comprando a opinião pública com o auxílio de ONGs


  2. Theophilodiz:

    Nunca na minha vida vi tanta idiotice escrita na minha vida, se fizerem todas hidroelétricas da Amazônia, todas vão inundar no máximo 0, 0025% da floresta amazônica, qual o impacto onde IDH é baixíssimo, tem muita tetra de ONGs e de etcccccc, por isto que Brasil não anda…..cambada de ignorante.